quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Potimarron & Géneros de Cucurbitáceas

Ver texto acrescentado após pequena faixa em branco (mais abaixo)!
*******************************************************************
Potimarron e/ou Hokkaido* (Ilha japonesa originária desta espécie, e que lhe dá o nome*)

 Valor Nutritivo:
- «O Potimarron é muito rico em vitaminas A, B, C, D, E, em Oligoelementos (fósforo, cálcio, magnésio, ferro, potássio, silício, sódio…), em ácidos (…), em açúcares naturais, etc.
- Quanto mais tempo o fruto for conservado numa cave seca, mais o seu conteúdo em vitaminas e açúcar aumenta.
- Pode ser consumido na generalidade dos cozinhados (cozidos), no forno, frito, em torta e em puré.»
(Uma pequena nota negativa…se é que se pode chamar negativo: O Potimarron é uma espécie de média duração, ou seja, um fruto colhido em Agosto e armazenado num local seco e arejado, dura no máximo até meados de Dezembro. Caso o coloquem numa arca congeladora, então haverá potimarron para todo o ano)
  
Os franceses chamam a este género de cucurbitácea POTIMARRON (Cucurbita Maxima); e muito bem, têm dividido os géneros por “categorias”, ou seja – e tentando aportuguesar o sistema -, existe a família das CABAÇAS que possuem imensas espécies, idem para a família das ABÓBORAS, igualmente na das COURGETES, nos PATISSONS, etc. Por isso, uma cabaça é uma cabaça e não uma abóbora ou courgette, etc. Agora são todos da mesma família (cucurbitáceas), mas de géneros diferentes. Mais um exemplo: a “abóbora” de Chila é única na sua família (cucurbita ficifolia) – não há mais espécies na sua “casta”, por isso nem é abóbora nem cabaça, nem potimarron, etc. Para melhor compreensão: a “abóbora” de Chila NÃO É  hibridável com nenhuma espécie, e assim sendo pode-se cultivar ao lado de qualquer outra espécie cucurbitácea, sem qualquer risco de hibridação para a espécie. A pureza é sempre garantida..
Ora, na família dos Potimarron também há várias espécies distintas – e cito só meia dúzia como exemplo: Agakuri, Golden Delicious, Red Kuri, Chestnut Bush, Kabocha, Solei Rouge e Uchiki Kuri.
Já esta espécie que eu possuo chama-se Potimarron/Potimarron simplesmente porque se desconhece a variedade…
É como chamar a uma Cabaça/Cabaça, porque em algum lugar… se perdeu o rasto da espécie, e já não se tem a certeza se é a espécie A, H ou Y?...
Atenção: não sou eu que perdi o nome da espécie, pois no site onde fiz esta troca de sementes, está lá escrito isso mesmo (Potimarron - variedade desconhecida)!
Complicado?!
Nem por isso…
 ***********************************************

Isto pareceu-me um texto um pouco…incompleto, por isso deixo mais algumas explicações sobre o tema, e com link`s para o leitor pesquisar!
Realço que são informações retiradas em sites sobre o tema, pois eu não sou nenhum botânico – por isso qualquer dúvida, e caso eu não saiba, então é melhor procurar em livros botânicos sobre cucurbitaceas, pois nem tudo se encontra 100% disponível na Internet.

*****
A família das Cucurbitáceas é uma família de plantas dicotiledóneas, que compreende mais de 130 Géneros diferentes, e divididos eles mesmos em mais de 960 Espécies. (E suponho que no que toca a espécies não estão contabilizados os híbridos = F1 - ?...)
No que se refere aos Géneros, deixo então aqui alguns exemplos:

     Cucumis Melo = Melão, meloa : Algumas espécies ver aqui http://rareseeds.com/vegetables-d-o/melons/american-asian-european-melons.html?limit=128
·       Cucumis Sativos = Pepino, cornichon : Algumas espécies ver aqui http://rareseeds.com/vegetablesa-c/cucumber.html?limit=64
*   Outros géneros de Cucumis ver aqui    http://cucurbitophile.fr/gnr/008.php
·       Citrullus Lanatus = Melancia : Algumas espécies ver aqui http://rareseeds.com/vegetables-p-z/watermelon.html?limit=64
   Outros géneros de Citrullus ver aqui http://cucurbitophile.fr/gnr/004.ph
*       Lagenaria = Algumas espécies ver aqui http://cucurbitophile.fr/esp/051/esp.php
·       Benincasa = Algumas espécies ver aqui http://cucurbitophile.fr/esp/001/esp.php (as plantas desta espécie são boas para porta enxertos das meloas)
·       Cucurbita = subdividida em vários géneros ## http://cucurbitophile.fr/gnr/009.php
## Maxima =  Alguns exemplos aqui http://cucurbitophile.fr/esp/034/esp.php
## Moschata = Alguns exemplos aqui http://cucurbitophile.fr/esp/036/esp.php
##Pepo = Alguns exemplos aqui http://cucurbitophile.fr/esp/037/esp.php
## Mista (ou mexicana) = Alguns exemplos aqui http://cucurbitophile.fr/esp/035/esp.php
## Ficifolia (abóbora de Chila) = O único exemplar deste género aqui http://cucurbitophile.fr/var/9000/var.php
ETC.
·
Já  Já havia feito referência ao comentário/questão que se segue num anterior artigo do blog, mas volto a repetir: É possível cultivar na horta uma espécie de cada um destes Géneros de plantas sem risco de hibridação?!
Resposta: “Nim”…***
Ou seja, tanto pode ser Sim como Não – depende da espécie.
Exemplos do Sim (com garantias amplas): uma espécie de melão ou meloa (não pode ser os dois), uma espécie de melancia, uma espécie de courgette e a abóbora Chila. E talvez…uma espécie de pepino.
Digo “talvez” uma espécie de pepino porque, como também já o havia referido, se o horticultor cultivar as espécies de pepino da Arménia junto dos géneros da opção do Sim, e colher sementes do melão ou meloa, no ano seguinte terá surpresas… pois estas espécies de pepino são hibridáveis com os melões/meloas. Por isso basta fazer atenção aos Géneros, pois estes tais pepinos são do Género Cucumis Melo… e não são os únicos (ver link: http://solanaseeds.netfirms.com/concombres.html ).

***(Talvez…)


Exemplos do Não: Uma espécie de melão, uma espécie de meloa, uma de pepino, uma de cornichom, duas espécies de abóboras (ex: cucurbita maxima).
Cultivar isto tudo junto era como semear a indiferença…e colher a surpresa-surpresa…

Exemplos do Nim: Uma espécie de cada um dos Géneros = 1 cucumis melo, 1 cucumis sativos, 1 citrullus lanatus, 1 lagenaria, 1 benicasa, 1 cucurbita maxima, 1 cucurbita mochata, 1 cucurbita pepo, 1 cucurbita ficifolia, etc.

Ora, por causa deste “Nim” do último parágrafo, e que me andava a fazer perder os cabelos… decidi questionar um profissional da matéria. Dito e feito: fui ao site das referências de Géneros, que já anexei mais acima, e deixei a seguinte questão: “… É possível cultivar junto do mesmo local, sem risco de hibridação, uma espécie de cucurbita maxima, uma cucurbita mochata e uma cucurbita pepo?
Eis a resposta que recebi (com simpatia, com simplicidade e com generosidade = pois podia não responder / Merci Bernard):
«…Em teoria não há risco de hibridação entre estes géneros…Mas em teoria só, pois na prática o risco zero não existe, e isso depende também das espécies em questão. Ter sempre em lembrança que no comércio existe os híbridos “inter-específicos” (exemplo: Tetsukabuto = Cucurbita maxima “delicious”(?) XC Cucurbita mochata “kurokawa”). Desconheço por completo as condições de exigência nesta hibridação, mas a prova assinala-o que é possível.
Mas para o horticultor trabalhar em total segurança, “no seu lugar” faria uma fecundação manual sobre as primeiras flores, e deixando as seguintes flores para a fecundação livre. Após a recolha separada das sementes (fecundação manual + livre), faria um teste no ano seguinte (semeando sementes das duas opções separadamente, e após o nascimento dos frutos, comparar se há diferenças do fruto da semente f. livre para o fruto da semente f. manual).»

(O negrito foi acrescentado por mim, para melhor entendimento)
  
Ora pelos vistos…este tal híbrido TETSUKABUTO, é uma hibridação entre uma Cucurbita Maxima e uma Cucurbita Mochata????????
Fui pesquisar um pouco mais sobre “este fenómeno”, e só encontrei referências num fórum (francês; pois a inglês eu não pesco nada…), por isso este assunto fica a carecer um pouco mais de opinião…
Enfim, o que lá diziam sobre este “casamento” era que tal é impossível…nas condições naturais, e que esta hibridação só pode ter sido possível num laboratório!
(Pesquisar qualquer tema na Internet, na língua francesa ou inglesa ainda se aceita…Agora tentar pesquisar este assunto em japonês, já não é para mim…)
Assim sendo, e como já referi anteriormente, este assunto precisa de mais opiniões, e como não sei inglês nem o tradutor online será uma boa opção - neste caso e para mim -, pois pretendia fazer uma questão mais extensa deste tema, em fóruns hortícolas de língua inglesa, fica assim o assunto um pouco suspenso…em águas de bacalhau…até arranjar a tradução desejada, ou então até que alguma alma caridosa deixe aqui uma explicação sobre o tema…
Se por acaso alguém quiser pesquisar por conta própria, a tal questão que eu já fiz ao Bernard, então deixo aqui algumas sugestões onde poderá fazer isso:
Fóruns:

 http://alanbishop.proboards.com/index.cgi

http://faq.gardenweb.com/faq/

http://idigmygarden.com/forums/forumdisplay.php?s=0b6fb8691be19f94c93cc7099052bf43&f=4

http://www.botanicalgarden.ubc.ca/forums/index.php?s=31c5e7869a36dedb561904c9cddb56b1

http://forums.seedsavers.org/forumdisplay.php?s=0c15f30c42cc51f4b4aa1a1aa50b375d&f=18

http://www.gardenforums.com/forum/

Ou então, questionar uma universidade hortícola/agricultura sobre o tema. O link que deixo mostra as universidade existentes…a nível mundial:

http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_agricultural_universities_and_colleges

A continuação que tinha previsto consistia em exibir imagens e respectivos comentários sobre as diferenças visíveis nos géneros da cucurbita, ou seja, folhas, pedúnculo e sementes diferentes entre estes géneros.
Mas como este assunto não merece muito interesse... deixo aqui um link para o leitor pesquisar por si..
Ver o quadro/tabela que se encontra quase a meio do site, e que diz "Caractères distinctifs des principales espèces de courges cultivées".***

 (***) http://fr.wikipedia.org/wiki/Courge

******************************-,-*************************************
Esta página/artigo é reeditada para esclarecimento de várias gralhas por mim efectuadas, não só neste artigo como em outros anteriores à sua anexação como posteriores (06/01/12)!

Recentemente, após troca de comentários noutro blogue hortícola, a autora deixou um link de um site inglês sobre a “Classificação das Plantas”.

Já aqui referi por várias vezes que não percebo inglês mas, apesar disso, e de ter utilizado o tradutor online - que não “conseguiu” fazer uma tradução razoavelmente satisfatória - , mesmo assim consegui captar algo muito importante, e que me leva então a reeditar o presente artigo.

A gralha/erro está “situada” quando me refiro às “espécies”, pois pelo tal quadro de classificação (botânico), eu devia me referir às variedades.  
Assim sendo, deixo a seguir exemplos como se devem prenunciar/escrever correctamente.

O melão Casca de Carvalho é uma variedade, da Espécie melo, pertencendo ao Género Cucumis, da família das Cucurbitáceas
A variedade de melão Branco do Ribatejo, pertence á Espécie melo, do Género Cucumis e à família das Cucurbitáceas (o exemplo é idêntico ao primeiro, apenas dito de outra forma).

O pepino da variedade SatsukiMadori, pertence à Espécie sativus, ao Género Cucumis, da família das Cucurbitáceas.

A variedade da melancia Orangeglo, da Espécie Lanatus, pertencendo ao Género Citrulus, da família das Cucurbitáceas.

A abóbora da variedade UchikiKuri (Hokaido), que pertence à Espécie Maxima, ao Género Cucurbita, da família das Cucurbitáceas.

De igual modo a variedade AtlanticGiant, pertence à Espécie Maxima, ao Género Cucurbita, e à família das Cucurbitáceas.

A variedade da abóbora Musquéede Provence, que pertence à Espécie Moschata, ao Género Cucurbita, e à familia das Cucurbitáceas.

A variedade abóbora Chila, da Espécie Ficifolia, do Género Cucurbita, que pertence à familia das Cucurbitáceas.

A variedade da Courgette Romanesco, pertence à Espécie Pepo, ao Género Cucurbita, e à família das Cucurbitáceas.

O patisson (desconheço o nome em português?) da variedade Custard White, pertence à Espécie Pepo, ao Género Cucurbita, da família das Cucurbitáceas.

A variedade de abóbora BigMoon (Halloween), pretence à Espécie Pepo, ao Género Cucurbita, e à família das Cucurbitáceas.

Etc, etc, etc.

Relembro que para evitar hibridações só de deve cultivar uma variedade por Espécie! E isto levando em conta que “dentro” da sua vizinhança – num mínimo de 800m -, os seus vizinhos não estão a cultivar outras variedades diferentes das suas Espécies.
Outro facto importante é que o horticultor deve cultivar um mínimo dos mínimos…duas plantas da mesma variedade, afastados no máximo 1 metro um do outro. Quantas mais cultivar da mesma variedade melhor será para a sua polinização e produção.

Para ajudar o horticultor a reconhecer a que Espécie pertence tal Cucurbita que possui, mas que não o sabe como o fazer, pois as folhas e pedúnculos dos 4 exemplos que deixo aqui são bem distintivos.

Género Cucurbita:

Folhas da Espécie Maxima.
Pedúnculo: Cilíndrico, grosso e esponjoso.

Folhas da Espécie Ficifolia.
Pedúnculo: Fino e angular.

Folhas da Espécie Pepo (courgette).
Pedúnculo: Angular de cinco lados, não se expande no ponto de inserção.

Folhas da Espécie Moschata.
Pedúnculo: Angular de cinco lados, expandido no ponto de inserção do fruto.



Não sei quantas variedades existem ao certo por Espécie de certos Géneros! Em todo o caso, deixo aqui alguns links onde se encontram imensas variedades das espécies citadas, e que será de boa ajuda para o horticultor interessado na matéria.

Abóboras da Espécie Maxima:

Abóboras da Espécie Pepo:

Abóbora da Espécie Ficifolia:

Abóboras da Espécie Moschata:

5 comentários:

Trumbuctu disse...

Venho agradecer esta informação tão completa sobre abóboras, particularmente a sugestão da experiência de polinização. Sobre a fecundação manual fiquei com uma dúvida. Quando diz "faria uma fecundação manual sobre as primeiras flores, e deixando as seguintes flores para a fecundação livre" está a refere-se as que as primeiras flores fiquem fechadas após a fecundação e as restantes que abrirem terão fecundação livre, é isso?

É que eu acabo sempre surpreendida com as abóboras quando volto a semear ":/, nunca fiz polinização manual. Vou experimentar este ano.

Abraço

Paula

Trumbuctu disse...

ops...
...corrijo - "refere-se às primeiras flores ficarem fechadas"

Paixão da Horta disse...

Viva!

Não há nada para agradecer Paula, pois a informação que eu aqui deixo é para partilhar com todos, e desinteressadamente; além disso eu também vou "beber" de outros blogs - como o seu, por exemplo.
Sobre a questão que me faz, eis a resposta: por exemplo, nas duas primeiras flores fêmeas que aparecem numa videira de cucurbitácea (e digo duas apenas para garantir o empreendimento, pois só polinizar uma pode não ser bem sucedido), então deve-se polinizar manualmente, para garantir a pureza da espécie (e assim a salvaguardar). Ora, e esta polinização requer a prática seguinte:
1º - proteger as flores antes de abrirem (tanto fêmeas como machos).
2º - quando as flores fêmeas estiverem abertas poliniza-las na parte da manhã.
3º - após a polinização , deixar de novo a flor fêmea com proteção, até ganhar um certo tamanho (normalmente é até a flor que se encontra no óvulo/fruto secar por completo).
Veja este link com imagens:
http://cucurbitophile.fr/multiplic.php

Saudações,
António

P.S. - Ainda não acabei a explicação. Mais logo ou amanhã termino o raciocínio!

Paixão da Horta disse...

Sobre as seguintes flores, é exactamente isso que refere, "deixar essas flores para a polinização livre". E só utilizar estas sementes se não houver interesse em preservar a espécie, e/ou para experiências (exactamente como recomenda o mail do Bernard).
Voltando ao comentário que ontem fiz, e sobre o link que deixei, também quero referir o seguinte: aquele sistema que se vê (fio e saco de papel), nunca será possível adapta-lo nas cucurbitáceas de pequena flor (melão, pepino, melancia, etc); e se possível (eu aconselho), trocar o saco pela meia de vidro. A meia de vidro dá sempre garantias - chova ou faça sol, com vento e com gatos...
Uma pequena nota sobre a utilização de sementes híbridas, e neste caso das courgettes (cucurbita pepo e sub espécies cucurbita pepo ssp. pepo): Atenção a possível toxidade das courgettes "bastardas", que acontece normalmente por causa da polinização incontrolada, ou seja, ter muitas espécies cucurbita à beira semeadas, e onde as abelhas polinizam "descontroladamente".
O resultado de quem comer estas courgettes dá num "sabor fortemente amargo, e depois da indigestão, e diarreias graves".
A solução é mesmo proteger as sementes para uso próprio. Além de se ter sementes puras, também se evita males intestinais...
Ver link: http://fr.wikipedia.org/wiki/Courgette

Espero que tenha ajudado! Caso me tenha explicado mal, tentarei de novo.
Saudações,
António

Mónica - Diário da Cozinha disse...

Olá António,
obrigada pelo seu comentário.
A nossa inexperiência é muita. Devagarinho vamos aprendendo. O seu blog foi uma grande ajuda. Partilhe mais coisas connosco ;-)

Esta semana estamos a pensar semear batata e plantar cebolo.

Quanto aos tomateiros e pimenteiros... já não é o primeiro a avisar-me. Além disso por cá tem feito muito frio e a geada não lhes vai dar muita saúde :-/

Estou desejosa que chegue a primavera para ver as culturas crescerem mais depressa :-D

Mais uma vez obrigada e passe pelo Diário da Cozinha para dar-me dicas, semanalmente vou tentar publicar fotos da evolução da minha horta

;-)