terça-feira, 30 de julho de 2013

2013 - Annus horribilis hortensis*

*(leia-se tomatal)

Isto é só uma parte do total, pois já deitei imensos tomates para o lixo sem tirar fotos.
Até à data já consegui degustar 4 vezes... saladas de tomates - deve ser um record...-, e para compor o ramalhete, ainda não consegui oferecer tomates a ninguém, e duvido muito que tal possa acontecer este ano...

Espécies altamente susceptíveis á podridão apical: Marianna`s Hawaian Pineapple, Hawaian Pineapple, Príncipe Negro, "Anna Russian" (se é que é mesmo esta espécie...), Yaska Yougoslavian.

Espécies altamente resistentes: Northern Ligths, Jóia de Oaxaca, Tangerine, Arkansas Marvel, Coração de Boi Reif Red, Petit Moineau. E super-super resistente o Beauty Queen.

No meio termo...ficam as seguintes: Laranja Russo 117, T.C. Jones, Cherekee Chocolate e o Virgínia Sweets (que não acredito de todo que seja mesmo a espécie citada...).

Termino este post com uma frase de Albert Einstein, que assenta que nem uma luva no sentimento que me vai na alma...:

"A teoria, é quando sabemos tudo mas nada funciona.
A prática, é quando tudo funciona, mas não sabemos porquê.
Eu, eu consegui reunir a teoria e a prática: NADA FUNCIONA, E NÃO SEI PORQUÊ!!!"

Vou-me dedicar à política...ou à caça de peopardos...

16 comentários:

Rui Esteves disse...

Viva António,

Concordo contigo, este ano está muito mau mas acho que no teu caso foi mesmo mesmo muito mau, eu em tomates com podridão apical só tive dois no principio quanto há queda de flor tive e tenho muita mas em geral não estou assim com tão más notícias.
De qualquer forma vais ver que para o próximo ano vai correr melhor.

Um abraço

João Gomes disse...

Viva António.
É com tristeza que assimilo este post, não percebo porque isto acontece, também já atirei uns 30 tomates para o lixo com podridão apical, realmente há variedades muito mais susceptíveis que outras, e até me apareceu aqui cancro bacteriano que nunca tinha visto na minha horta, mas continuo a apanhar tomates todos os dias, por isso não percebo mesmo porque aí não acontece o mesmo e eu sei que os trata ainda melhor que eu.
A natureza tem destas coisas mas o que eu acho é que se calhar isto já não tem a ver com a natureza...
Aliás até lhe digo mais, aqui as minhas "velhotas" que num terço do espaço que usei para os meus conseguiram pôr quase o dobro dos tomateiros e que regam por cima das plantas à pressão e todos os dias têm bastantes tomates e as mesma quantidade de doença que eu, não consigo perceber... mas faz-me pensar se não andará nada no ar e como regam por cima à pressão se não limparão as plantas, é uma hipótese que não eliminei.
Mas que isto está estranho lá isso está.
Melhores dias virão porque pior é praticamente impossível.
Abraço.
Saudações hortícolas.
João Gomes

Paixão da Horta disse...

Olá Rui, viva!

Eu apenas "sentenciei" o ano 2013 aqui na horta como "horribilis". No entanto julgo que tal será mais amplo (ao país), e digo isto pelos factos seguintes: aqui nos supermercados de Viana, este ano, só se vê melancias e melões (Branco do Ribatejo e melão Verde) pequenos. Pior é o preço com que este ano estão à venda, ou seja, e no caso dos melões estão a ser vendidos a 1 euro e tal o quilo, o que nos outros anos anteriores está muito abaixo do euro.
Outro caso que noto são as maçãs (fruta que mais como ao longo do ano), e que neste momento todas as espécies custam entre o euro e meio e dois euros e tal o quilo, onde à menos de um ano praticamente todas as espécies eram vendidas a menos de 1 euro o quilo.
Conclusão: ou os produtores estão a vender "tudo" para o estrangeiro ou então isto deve-se a uma colheita muito frugal, derivado a esta temporada desarmoniosa...
Quanto ao "próximo ano" depois falo contigo por mail (ainda esta semana), pois não quero revelar aqui "em aberto".
Um abraço,
António

Paixão da Horta disse...

Viva João,

Eu já começo achar...que a Natureza nos anos ímpares me quer castigar com angustias e frustrações...Em 2011 também tive imensos tomates com podridão apical, etc.
Isto até pode ter "o seu quê" em relação ao tempo/meteorologia, no entanto, eu sou capaz de "prognosticar" que 90% destas maleitas são causados por doenças já "infiltradas" no solo (nematóides, verticilium, etc)!
A fileira onde este ano cultivei os tomateiros é praticamente o mesmo local (coisa de centímetros) onde os cultivei em 2011, e em 2010 havia cultivado só melões.
Este solo aqui da horta está a precisar de um longo repouso em relação a tomateiros e cucurbitáceas (estou a falar de anos).
Ou passo a cultivar os ditos enxertados ou deixo de os cultivar por algumas temporadas, tempo de a horta/solo recuperar a saúde!
É verdade João, há espécies altamente susceptíveis à podridão apical, etc. As "beefsteak" são as mais sensíveis.
Praticamente quase todas as espécies que cultivo este ano são novidades, ou seja, são de sementes recebidas em trocas no último Inverno; e como tal também podem ser portadoras de doença, caso as pessoas que as tenham recolhido não tenham sido rigorosas e responsáveis.
Apesar de o Príncipe Negro ser o tomateiro mais afectado com a podridão apical, não estou com isto a por em causa a sua honestidade ou
responsabilidade, pois continuo achar que o problema está no solo; no entanto não quero também negar que talvez possa ter recebido sementes doentes (e aqui estou a pensar nas sementes recebidas de além-fronteira).
Já uma das novidades (Beauty Queen) deste ano, e que para além de ser muito delicioso e produtivo (imensas semelhanças ao Jóia de Oaxaca), é o tomateiro mais saudável da horta, pois não encontrei até à data um tomate, ou folha, ramo e flor doente.
Na triagem que pretendo fazer, esta espécie que citei será sem dúvida para ficar entre as eleitas. Esta e o Arkansas Marvel (esta é super saborosa).

Também já encontrei este ano 2 tomates com cancro bacteriano (não tenho imagens). O porquê de tal é que não o sei explicar.

Abraço,
António

Vânia Luz disse...

Muito triste! nós plantamos com amor, dedicação e cuidado e de repente vir essas pestinhas assolar... Tenho um tenro pé de laranja e uma pimenteira(minha única pimenteira!) que estão com cochonilha... tive um pé de amora que foi devastado pela praga... dá tristeza...
Procurando pela internet, encontrei remédio natural a base de óleo, fumo e água, estou usando e torcendo para que dê certo.
Melhoras para os seus tomateiros.

Paixão da Horta disse...

É verdade Vânia: triste e doloroso ver tanto trabalho feito com satisfação mas que agora não é recompensado.
Tal qual os humanos, as plantas também sofrem doenças, e neste caso o causador é o solo (pouco espaço de manobra para fazer rotações).
Melhores dias virão!
Felicidades e e muita saúde para as suas culturas!
Saudações,
António

Marisa disse...

Olá este ano realmente anda estranho, não sou eu só que o digo. Apesar de tudo os meus tomateiros estão se a portar bem até ver, claro! Em relação à podridão apical, chegou este ano a colocar o carbonato de cálcio? Acho que mesmo quando há cálcio disponível há outras cosas que podem interferir com a absorção do cálcio pelas plantas... Por isso é que a via foliar é popular como seja complesal cálcio da bayer... Fico contente de ver que retomou o blog, e principalmente que continua na horta! Um link relacionado que eu gostei: http://softwaresesistemas.com.br/agricultura/producao-de-tomate-doencas-no-tomateiro-cultivo-protegido/
Até breve, Marisa

Paixão da Horta disse...

Olá Marisa,

Respondo amanhã ou domingo ao seu comentário!
Hoje não vai ser possível - lamento.
Saudações,
António

Paixão da Horta disse...

Viva Marisa,

Tem razão, o tempo anda maluco e com amnésia...
Olhe, esta semana que passou ameaçou quase todos os dias que chovia; reguei os tomateiros na terça e ontem à noite - sexta-feira - voltei a regar, apesar das "ameaças" de chuva. Pois bem, não é que na madrugada de sábado caiu uma bátega de chuva!
E no sul de França caiu granizo do tamanho de tangerinas.

Este ano não deitei carbonato de cálcio! Por outro lado estrumei a terra como nunca (ao longo dos 11 metros da fileira por um metro de largura).
Gastei um saco de estrume de cavalo, mais estrume de galinha (muito), onde misturei também folhas de Consolda que é rica em potássio. Isto aí umas 3 a 4 semanas antes de colocar as plantas na horta, e claro, revirei depois a terra.
Quando fiz o transplante dos tomateiros, dentro de cada cova deitei duas boas manadas de húmus.
Pela falta de estrume não é de certeza que há a podridão apical.
Ao aparecimento dos primeiros tomates afectados eu voltei às pesquisas na net, e li alguém dizer que o maior causador da podridão apical não é a falta de cálcio, mas sim a rega desordenada...
Eu como já referi num anterior comentário, sou o causador desta desordem, e principalmente por ter refeito o canteiro onde mutilei raízes em todos os tomateiros. Espero que me tenha servido de lembrança!
Em todo o caso, julgo que o carbonato de cálcio nunca resolverá o problema do verticilium! Aqui neste caso só mesmo as rotações bem espaçadas (4 anos no mínimo era o ideal).
Ou então enxertar os tomateiros e as cucurbitáceas (coisa que eu falhei este ano em 95%, pois só consegui realizar/salvar dois enxertos).

Agradecido pelo link! Já o li.
Felicidades para a sua colheita!
Saudações,
António

satmadeira disse...

Por aqui também não foi ano de tomates sempre com doença ate que comprei um remédio se não tirava nada.

satmadeira disse...

não foi nada bom por estas bandas também

satmadeira disse...

caro amigo Rui desde já desculpe-me a minha ausência, mas este ultimo ano não foi lá muito fácil.
Mas estou de volta ainda em falta consigo... envie-me lá um mail pois ando aqui à procura do seu não encontro penso que ainda deve ter o meu... se não aqui vai
satmadeira@gmail.com
Pois ainda o quero retribuir pela sua amabilidade.
e contar uma novidade acerca das suas sementes.

Paixão da Horta disse...

Caro amigo Manuel,

Não tem nada que pedir desculpa! Eu não sou "responsável" pelos afazeres de cada um - e vice-versa -, e assim sendo não me deve explicação nenhuma.

Como se deve lembrar...quando lhe OFERECI as sementes, eu disse-lhe que não queria nada em troca, apenas que acusasse a recepção das ditas - algo que você cumpriu perfeitamente -, e assim sendo mantenho a minha inicial intenção: não tem nada que retribuir!

O meu e-mail de contacto é o seguinte: paixaopelahorta@hotmail.com

Saudações,
ANTÓNIO

Sansoni7 disse...

Olá
Por aqui também me queixo das plantações.
Com muita dificyuldade consegui que os tomateiros resistissem, no frio, aos ataques dos fungos...ou lá o que eeram.
Já por cá há uns tomates mas também assisti a muita queda de flor e algumas mortes de plantas.

Só acrescentar que tenho um pé de Yaska Yougoslavian que o Rui Esteves me ofereceu e está muito bem...e com tomates.

Cumprs e melhores dias virão...concerteza!

Augusto

Paixão da Horta disse...

Viva!

Já nem me incomodo com as "tristezas hortícolas" que diariamente me deparo na horta, ou seja, continuo a retirar praticamente quase todos os dias tomates para o lixo, e o sentimento desta tarefa já o sinto como algo banal.

Neste momento não estou nada convicto que essa espécie seja o "Yaska Yougoslavian", pelo simples facto que essa espécie assim como outras que aqui tenho de "novidades", são o resultado de uma troca de sementes que fiz em Dezembro último com um francês, e que já descortinei aqui noutras espécies haver "gato por lebre".
Assim sendo, peço ao Rui e a quem mais o Rui ofereceu sementes "desse lote", que ignore por completo o nome da espécie com que vêm "conotadas".
É inventar um nome de "ocasião", no caso de a espécie ser do agrado.

Já não é a primeira vez que me fazem esta desfeita/malandragem...e para não me chatear mais, decidi terminar definitivamente com as trocas de sementes (no site francês)!

Saudações,
António

Rui Esteves disse...

Olá António,

Só para te dizer que das ultimas sementes que me ofereceste não ofereci a ninguém e somente 1 pé já germinado dessa variedade ao Augusto pois aquando da visita dele tinha 3 pés dois para mim e um extra que lhe ofereci para não deitar fora !

Um abraço